Missa: verdadeiro e próprio Sacrifício

Reza um importante documento do Concílio Vaticano II, “o nos so Salvador instituiu na última Ceia, na noite em que foi entregue, o sacrifício eucarístico do seu corpo e do seu sangue para perpetuar no decorrer dos séculos, até ele voltar, o sacrifício da cruz, e para confiar assim à Igreja, sua esposa amada, o

Palavra e Pão

    A Santa Missa é oração por excelência que se oferece a Deus nesta terra, pois é a oração de Jesus: “dirijo-te esta oração” (Jo 17,13) – diz o Senhor ao Pai em cada celebração eucarística. Efetivamente, Jesus subiu aos céus e “vive sempre para interceder” por nós (Hb 7,25). Aprofundemos o conteúdo dessa oração

A dignidade da festa litúrgica

     “O Senhor ressuscitou verdadeiramente” (Lc 24,34) e o celebramos de maneira especial no seu Dia, o Domingo. Contudo, cristãos indolentes e tíbios sempre existiram. Os Padres do século IV lamentavam-se de que alguns cristãos se ausentavam da missa dominical para dedicar-se aos negócios ou ao circo ou ao teatro, e insistiam no grave

Domingo – dia litúrgico por excelência

“Na tarde do mesmo dia, que era o primeiro da semana” (Jo 20,19), os discípulos encontraram o Senhor e receberam a sua paz. O mesmo acontece conosco, também no primeiro dia semana, isto é, no domingo, o primeiro dia, o oitavo dia; dia da criação, dia da nova criação; dia do tempo primordial, dia que

Tempo da Quaresma – tempo de contrição

Na Tradição Apostólica, do ano 215, de Hipólito de Roma, se menciona um jejum que os cristãos deviam fazer na sexta-feira e no sábado santos como preparação para a Vigília da Páscoa. No final do século III encontramos uma preparação de três semanas para a Páscoa do Senhor; no século IV, passou a ser seis semanas

O tempo e a celebração – o ciclo litúrgico

O Ano da Igreja não se identifica com o ano civil, este começa em janeiro; aquele, aproximadamente no final de novembro. O 34º domingo do Tempo Comum, que sempre coincide com a solenidade Jesus Cristo Rei do Universo, e sua correspondente semana, marcam o final do Ano Litúrgico ou Ano da Igreja. O 1º domingo

A estola – distintivo do mistério e do poder sacerdotal

 O costume de utilizar uma espécie de tira de pano em torno do pescoço descendo dos dois lados até a altura da cintura provém da Hispania e das Galias do Império Romano e, durante a época carolíngia, a estola se incorporou à liturgia romana. Segundo a Instrução Geral do Missal Romano, a veste própria do

O núcleo da Liturgia: a morte do Senhor!

A liturgia é o “culto público da Igreja”. O Concílio Vaticano II afirma que nela, na liturgia, “se atua a obra da nossa redenção” e que ela “contribui sumamente para que os fiéis exprimam em suas vidas e manifestem aos outros o mistério de Cristo e a genuína natureza da verdadeira Igreja” (Const. Sacrossanctum Concilium,

Os vários nomes do Sacramento da Eucaristia

A Eucaristia enquanto celebração recebe diversos nomes. O fruto da celebração é a Eucaristia enquanto Presença. O Catecismo da Igreja Católica nos recorda esses dois aspectos, e muito mais: “A riqueza inesgotável deste sacramento exprime-se nos diversos nomes que lhe são dados (…): Eucaristia porque é ação de graças (…) Ceia do Senhor, pois se

Ir para o topo