Solenidade da Imaculada Conceição de Maria: “A cheia de graça”

“Santo Anselmo realçou a verdadeira grandeza do mistério que se realiza na concepção de Maria: sua preservação do pecado. Em 1439, o concílio de Basileia considerou este mistério como uma verdade de fé, e o Beato Pio IX proclamou-o dogma em 1854”. Maria, aquela que fora escolhida por Deus para gerar o seu Filho Jesus Cristo, foi preservada do pecado original, ou seja, em vista dos méritos de Cristo, que iria redimir a humanidade do pecado, Maria foi preservada da mancha do pecado. Este é o sentido doutrinal da Solenidade de hoje.

Refletindo sobre o Evangelho de hoje vemos estas palavras do Anjo Gabriel: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!” Cheia de graça, repleta da presença de Deus em sua vida. E no grego este termo, “cheia de graça” indica uma ação que não termina, ela é cheia de graça e permanecerá sempre cheia de graça, uma ação que começou e que nunca terá fim na vida daquela que acreditou na promessa de Deus, este é o seu nome divino, dado pelo enviado de Deus. A graça será sempre atuante em sua vida: quando recebe a profecia de Simeão, quando é intercessora nas Bodas de Caná, quando acolhe seu Filho na Via Sacra, quando nos é entregue aos pés da Cruz, quando recebe seu Filho morto em seus braços, quando o contempla ressuscitado, quando aguarda o Espírito Santo junto com os apóstolos.

A Virgem Maria não apenas recebe este nome “cheia de graça” do próprio Deus, Ela o vive totalmente. Maria deseja que possamos contemplar a pureza, “bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus”. O nosso mundo não valoriza e não preza mais pela pureza, pelo contrário, quem é puro, é aquele que está fora de “moda”, é o estranho, é o deslocado, é o cafona, por isso, a pureza de Deus e de Maria é um escândalo para este mundo apodrecido pela doença do pecado.

Penso em como o mundo e os próprios pais acabam com a pureza das crianças, que consequentemente tornam-se jovens impuros, sujos pelo pecado, longe da graça de Deus, distante dos verdadeiros valores, distantes do verdadeiro bem. Infelizmente, nossa juventude vive uma vida de ilusão, são totalmente iludidos, ludibriados pelo pecado e dentre eles, o pecado da impureza. Contemplar a Virgem Maria, a toda pura, é trazer novamente aos nossos corações a esperança de vermos nossas crianças e jovens inundados da pureza, que é graça, dom de Deus para a humanidade. Tenhamos a coragem necessária para contemplarmos e vivermos a pureza, que Maria nos ensine, pela pureza, o caminho do Reino dos céus e que nós queiramos aprender com ela a seguir este caminho cheio da graça de Deus.

Pe. Fabio Carlos de Araújo

Paroquia Santo Antônio – Damolândia

Ir para o topo