3º Domingo da Quaresma: “O zelo por tua casa me consumirá”

“O zelo por tua casa me consumirá”

Estamos vivendo o tempo santo da Quaresma, já chegamos ao terceiro Domingo e neste tempo somos chamados através do jejum, esmola e oração a preparar nossos corações para celebrarmos dignamente Páscoa do Senhor, a vida nova do Senhor em nossas vidas.

Percorrendo nosso itinerário quaresmal, este grande retiro, o Evangelho de hoje nos leva a refletir sobre a atitude de Jesus em relação àqueles que faziam negócios dentro do Templo, vendendo animais, trocando moedas, aqueles fariseus e mestres da Lei, tão zelosos por um lado e ao mesmo tempo tão liberais de outro lado. Vemos então que cumpriam a Lei naquilo que era conveniente a eles, ou seja, “este povo me honra com os lábios, mas o seu coração está longe de mim” (Mt 7,6).

Jesus em uma “santa ira”, como dizem alguns autores, expulsa estes falsos seguidores da Lei do Templo, com autoridade que Ele tem como Filho de Deus, ou seja, Deus mesmo. O autor do Evangelho recorda as palavras do salmista: “o zelo por tua casa me consumirá” e logo depois falará do verdadeiro Templo, Ele mesmo. Fala de uma forma profética, usando quase uma parábola, como é típico dele.

Neste aspecto Jesus indica para nós o caminho de conversão, mudança de vida, típico da Quaresma. Devemos cuidar do nosso templo, nosso corpo, que é Templo do Espírito Santo; e devemos cuidar e respeitar do templo de pedra, que são nossas Igrejas, lugar de oração.

Nosso corpo é sagrado, mas quantas vezes o profanamos com o pecado, especialmente, a masturbação, fornicação, adultério, pecados contra a natureza; fazemos isso porque seguimos demasiadamente o mundo e suas “verdades” e esquecemos do nosso ser cristão e da Palavra de Deus, acabamos usando os outros e deixando-nos usar, como se fôssemos meros instrumentos, meras coisas e deixamos de lado o caráter sagrado do nosso corpo, é preciso uma mudança de atitude, é preciso conversão.

A igreja, templo de pedra, é um lugar sagrado, onde temos a presença do Senhor, seja pelo altar – centro de toda a ação litúrgica – seja pelas Cruz do Senhor, pelas sagradas imagens, seja ainda, pela presença do tabernáculo, onde o Senhor Jesus se encontra para ser distribuído aos enfermos, ou para ser adorado fora da Santa Missa; lugar de oração, não de conversas; lugar de oração. Quanto a isso é necessária também uma mudança de atitude, uma conversão, para tratarmos a igreja como deve ser tratada, um lugar sagrado.

Que o zelo de Jesus pelo seu corpo e pelo templo de pedra, inspire também o nosso zelo e que Ele nos ajude a caminhar rumo à verdadeira conversão do coração.

Foto: reprodução google

 
Pe. Fábio Carlos de Araújo
Paróquia Santo Antônio – Damolândia
Ir para o topo