Padre Carlito comenta liturgia da véspera do Natal

 

Feliz Natal!

A discrepância dos adjetivos abundam na festividade de hoje, e nunca palavras tão contraditórias se encontraram em tão perfeita harmonia e sintonia, expressando o real sentido, a grandeza, a majestuosidade, a dignidade da festa que celebramos. O eterno entra no tempo, o Criador se faz criatura, o sublime se torna miserável, a grandiosidade se transforma em pequenez, o divino se faz humano, e no abismal silêncio da noite de Natal se revela o estupor da humanidade e se esconde a euforia da criação porque o Verbo se fez carne.

Celebrar o Natal do Senhor é celebrar a infinita misericórdia de Deus que não se conforma em seu comodismo divino, mas se rebaixa, desce à miséria humana para assim elevar até o mais alto patamar a humanidade. O divino se faz humano para que o humano se faça divino; na encarnação Deus se insere dentro dos planos humanos para que os homens se coloquem dentro dos planos divinos. E no natal do Senhor, na festa do seu nascimento, se enxertam todos aqueles que foram configurados com Ele pelo batismo, assim, no nascimento de Jesus se celebra o nascimento de todos os cristãos, outros “cristos”, por isso se desejam de forma fraterna uns aos outros Feliz Natal, porque no Natal de Jesus se celebra já o Natal de cada cristão. Felicitações que expressam a felicidade da presença divina, cumprimentos que velam os mais sinceros desejos de paz e amor, saudações que revelam os mais intensos e reais sentimentos de compromisso em viver a realidade do natal na vida pessoal de cada cristão. Dizer Feliz Natal é o mesmo que desejar a presença de Deus, é permear o nosso dia a dia dessa presença que nos alegra em meio a pobreza, sustém nas perseguições e anima nas dificuldades. Dizer Feliz Natal é se comprometer em fazer vida na nossa vida a vinda de Jesus, é fazer carne na nossa carne a encarnação do Verbo divino. Mais que palavras vazias, felicitações de praxe e cumprimentos altivos, dizer Feliz Natal é expressar uma realidade que toca e choca todos os cristãos batizados, é manifestar o amor de Deus encarnado que traz a verdadeira felicidade e dá real sentido à nossa existência.   

Celebrar o Natal é se comprometer em limpar constantemente o estábulo da nossa alma, é entronizar dia após dia o menino Jesus na manjedoura do nosso coração, é levar o Menino Deus nos nossos braços para a nossa casa, se comprometer em cultivar a nossa amizade com Ele, cuidar de sua presença, brincar, sorrir, acompanhar, admirar, viver junto a Ele. Que a futilidade dos enfeites natalinos, a banalidade do mundo que nos rodeia, o consumismo da sociedade que reduz a festa do Natal em apenas presentes e nem a superficialidade das bebidas e comidas nos façam esquecer o verdadeiro sentido e o velado compromisso escondido atrás das simples e singelas felicitações de Feliz Natal.

Pe. Carlito Bernardes Júnior
Santuário Santo Antônio
Ir para o topo