Em comentário do Evangelho, padre Fábio Carlos questiona: Quem realmente é você?

 

Quem realmente é você?

Quantas vezes a tentação do fariseu não bate à nossa porta. Quantas vezes estamos inchados de orgulho, achamos que porque ajudamos no ECC, Segue-Me, Encontro Conjugal, Cursilho, Vicentinos, etc., já estamos salvos, já fazemos o bastante e esquecemos de que a única coisa que realmente precisamos fazer é bater no peito e suplicar a misericórdia de Deus.

Não podemos deixar de ajudar nas diversas pastorais e movimentos da Igreja, não podemos deixar de devolver nosso dízimo (que é obrigação de todos os cristãos católicos), mas é necessário fazer tudo isto com um espírito de humildade, tendo consciência da nossa condição de pecadores, de necessitados.

No final, somos todos mendigos de Deus, podemos subir no mais alto do nosso orgulho, achar que somos melhores e maiores do que os outros, mas continuaremos tendo que mendigar dele sua misericórdia. Temos que aprender a ser humildes para que nossa oração seja escutada pelo Senhor, é isso mesmo, Deus só escuta a oração que brota de um coração humilde.

A virtude da humildade constitui o alicerce de todas as outras virtudes. O homem humilde compreende melhor a vontade divina e sabe o que Deus lhe vai pedindo em cada circunstância. O humilde respeita os outros, as suas opiniões e as suas coisas; possui uma especial fortaleza, pois apoia-se constantemente na bondade e onipotência de Deus: “Quando sou fraco, então sou forte”, proclama São Paulo. É a virtude que consiste em conhecer as suas próprias limitações e fraquezas e agir de acordo com essa consciência. Refere-se à qualidade daqueles que não tentam se projetar sobre as outras pessoas, nem mostrar ser superior a elas.

Já estou me aproximando de 06 anos da minha ordenação sacerdotal, e o lema que eu escolhi naquela ocasião foi: “Humilitas” – humildade. O mesmo lema do Papa João Paulo I, que ficou apenas 33 dias como Papa. E até hoje estou tentando entender o que é a humildade, já li, já meditei, mas até hoje ainda estou por entender o que é isso; sendo assim, também como viver a humildade. Hoje já sei que é um plano de vida, que deverá ser buscado durante toda uma vida.

Por hoje, só peço que o senhor me dê a humildade daquele cobrador de impostos e que eu sempre repita: “Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!”.

Pe. Fábio Carlos de Araújo
Paróquia Santo Antônio – Damolândia
Ir para o topo